sexta-feira, março 20, 2009

E como se define a arquitectura hoje?

Mais do que criação de ícones (que não concordo que seja este o estado actual da arquitectura), a arquitectura hoje, na minha opinião, tem duas linguagens (como sempre houve ao longo do tempo, este ying-yang, acção-reacção):

a sóbria; volumes simples, limpos, secos, puros, onde rectângulos são rectângulos, cubos são cubos e esferas são esferas. A pureza, o volume, a luz, a métrica, a textura, o vão. (Aires Mateus, Carrilho da Graça, Sou Fujimoto, Sejima, Peter Zumthor, etc..)

&

a nova orgânica; em que arquitectura é natureza. não relacionada com a natureza, mas desenhada como um objecto natural, formas orgânicas, como se se tratassem de rochas por polir. O aleatório, o dinâmico, o movimento, o pousado, no ar. (Zaha Hadid, Rem Koolhaas, Frank Gehry, Herzog..)

Estou enganado?

4 comentários:

Fipa disse...

nop.

:)

mariana disse...

tas tentar pescar umas fanecas pa dissertaçao?:P acho que estará mais associado ao facto de haver uma visao objectual da arquitectura.(e quer queiras quer nao tem tudo a ver com a criacao de icones-a ver quem constroi o arranha ceus mais alto, o hotel de 7 estrelas, o edifìcio giratorio, o centro de artes-que -mais-parece-uma-nave-espacial, a maior consola, a piramide em paris...podes tu nao concordar que esse seja o estado actual da arquitectura, mas é o que nos chega através dos midia, e é isso que 'come' a populaçao em geral)

el trigo disse...

e depois há a categoria em que metes o "prada transformer" dos OMA

Loiro disse...

tenho uma certa repulsa a isso dos "sacos", "géneros", "categorias" arquitectónicas. pode levar a relações estranhas entre "artistas"(se arquitectura for arte), que nem sempre são saudáveis.