sexta-feira, outubro 30, 2009

Burgo Media Tower

Photobucket
Não ficava brutal?
Transformar as fachadas cegas (a nascente e poente) do Torre do Burgo do Souto Moura em fachadas multimédia? E em plena Avenida da Boavista com uma centralidade única?
Eu achava um óptimo investimento e um step forward para a dinâmica desta pobre avenida.
Vou propor isto.
Não sei a quem.
Mas vou.

Quando acabar a tese e tiver mais informado do assunto.

7 comentários:

Loiro disse...

Concordo contigo na necessidade de um investimento na Avenida da Boavista, mas a dinâmica do show off pode ser perigosa.Essa começa a fazer aparições estranhas como, o novo edifico da vodafone por exemplo. Agradaria-me mais uma interveção que caracterizasse os diferentes "momentos vazios" da avenida, que são interessantes pela diversidade que geram mas que,em contrapartida são descontínuos- a falta de dinâmica que tu bem mencionas.

francesquinho disse...

Ui.. sem dúvida.. aquela sede da Vodafone tá terrível. O problema da Avenida nesse ponto é que tem um programa ao nível do réschao competamente díspar. Não há um percurso único.
E o que eu estaria a propôr não é um show off. é pegar na torre como um suporte multimédia de comunicação para a Avenida. A implantação do edifício (no cruzamento com a VCI) e a própria forma são perfeitas para a integração de um suporte deste género. Era até mais fácil pelo facto de ter as fachadas que mencionei cegas... à noite teria "outro brilho", sem prejudicar ninguém, e traria alguma dinâmica. à distância ou no próprio local. Mesmo com o lote de habitação a surgir em frente nesse grande terreno, podia ser que ao nível do rés-chão/peão trouxesse algo novo. Já tens um McDonalds. (apesar de tudo, o McDrive traz movimento até as 6 da manhã ao fim de semana). E desde a Rotunda até esse ponto tens uma casa da Música, um Bingo, restaurantes, um Tropical, discoteca Triplex mas completamente desfazados.. Imagina que vao surgindo outras coisas que possam unir tudo num percurso.. Aquela avenida podia se tornar numa Times Square do Porto. É só uma questão de se reestruturar o programa ao nível de rés-chao. Saber articular alguma diversidade para funcionar durante o dia e durante a noite. Para mim, A Avenida também funcionava mesmo bem trazendo comércio ao nível da rua (à campos Elísios) com um bom sistema de iluminação para a noite não morrer. (e aqui entra a fachada multimédia que paralelamente a todas as vantagens que apresenta, é uma alternativa ao sistema de iluminação nocturna). Tanta coisa.. Mas respondendo, não queria de modo algum tornar o Burgo num show off. Apenas, sendo um ícone da Avenida, poder garantir-lhe uma nova visibilidade e principalmente uma potencialidade de alguma dinâmica para a avenida.

Loiro disse...

sem dúvida que soubeste identificar parte dos problemas da avenida, no entanto continuas a contradizer-t, pois assumes que enfatizando a torre Burgo como icone( e de facto já o é)garante uma potencialidade de dinâmica da avenida. ou seja dizes-me que tirando partido de um acontecimento particular, damos a procurada continuidade e dinâmica a uma avenida de 5km. E aliàs tanto se apelou à reestruturação da Baixa à noite, que agora que ela começa aparecer, vamos esquece-la e voltar as atenções para vida nocturna da Av.Boavista? Penso que essa dinâmica da avenida, tem que ser trazida para o dia, dissolver aquela artéria de trafego diário estúpido num percurso interessante de se fazer até á costa.talvez essa "media arquitecture" possa intervir.

Vitório disse...

xiu!!!
siga ver o video que o fabio postou no ideiainteligente!!! kubik...
alçados?? o que é isso dos alçados?? linguagem??

Dale na pele o quico!!

Comunica para te falar sobre o estoril...

francesquinho disse...

xiii oh tempo que meti esse vídeo kubik ...

http://fcbtudojunto.blogspot.com/2009/07/omfg-2.html


Olha, nao sei se vai dar pa ir.. quero mesmo tar sexta feira de manhazinha. nao da pa ir e voltar, acredita..

trigo disse...

o problema realmente está no r/c, no sentido em que está ao nivel da rua. não é só uma reformulação funcional do r/c que te põe a avenida da boavista a funcionar.

e muito menos vais lá socorrendo-te de árvores podadas em formas cúbicas.

é preciso vêr (vêr) a largura da avenida em cada um dos seus momentos. já repararam bem naquilo? é a artéria mais uniformemente irregular que temos na cidade. são 5/6 km de javardice (acho que é este o termo técnico) urbanística e arquitectónica.

aliás, e isto é uma opinião pessoal, eu acredito que, caso a avenida da boavista tivesse existido com toda esta exuberância há uns anitos atrás, o danny boyle talvez a tivesse usado no lugar da sala-de-cinema-de-tortura.

mas vamos fazer como a dona helena, e analisar:

esta avenida começa com a casa da música, leva pelo meio com o burgo (que querem que lhe chamemos torre a todo o custo mas aquilo tem 15 pisos, não é torre em lado nenhum do mundo, só na aldeia da luz, e mesmo aí a torre sineira da igreja ainda deve dar alguma luta), leva com uma série de descampados, estacionamento em terra batida ao ar livre, hóteis, edifícios de habitação recuados (tenta resolver estes r/c), com o private banking do bes (este também é bom de resolver), com o fantástico dallas (???), continua no complexo do Foco (também nada a fazer no r/c), ainda leva com duas bombas de gasolina, uma embaixada, um colégio privado, a sede da vodafone wanna be casa da música, stands de automóveis, uma quantidade enormesca e descontinuada de moradias, o parque da cidade (com duas entradas a dar para a boavista, tudo o resto é um muro verde. também nada a fazer neste r/c. quer dizer, algumas pessoas trabalham nessa zona. nada contra elas.) e remata com um condomínio privado enorme e com um bar/restaurante/discoteca colado a um novo-que-já-parece-velho aquário. e ao lado destes dois últimos temos... um gigantesco horto! e pensar que ainda há uns kms atrás estávamos na casa da música...

ou seja,
publicidade na torreola a dar para a vci? sim, isso realmente é interessante, principalmente para os anunciantes.

meter um painel meio esquizofrénico cheio de luzes na pseudo-torre do burgo? apoiado. mais uma instalação para fazer concorrência àquela série de vigas coloridas e iluminadas em frente ao porto palace.
(não esquecer que no mesmo burgo também já temos a instalação que não é do calder mas quase podia ser. portanto, falta pouco para o museu a céu aberto.mas só naqueles metros entre o porto palace e o burgo)

mas... transformar aquilo num agradável percurso de ligação com a costa? só se enfiarem o metro a passar por baixo de terra e a sair em cima do castelo do queijo. aí sim, era bastante agradável.

p.s. - já fiz uma quantidade enorme de vezes a avenida a pé, para baixo e para cima, em toda a sua extensão. foi assim que descobri o palacete da condessa de lobão, ali ao lado do private banking do bes, e que tem um jardim romântico incrivel, com lago e um coreto de arte nova, ainda com as cadeiras da época, totalmente abandonadas (tentei roubar uma, confesso).
Ainda que meio decrépito e sem grande manutenção é das poucas coisas que vale a pena (e que nos deixam) visitar na avenida.

Loiro disse...

Com tanto desbafo arquitectónico ou o que possa ser fiquei perdido. Muito bem.Caro Kiko, parece que isso da "media architecture" afinal pode deixar o painel luminoso led e tornar-se conversa. Obrigado Trigo pelo último paragrafo, tou curioso de conhecer esse jardim.